Como adequar a ergonomia em um projeto de interiores?

Como adequar a ergonomia em um projeto de interiores?

Compartilhe o artigo via:

A ergonomia é a ciência da adaptação de um ambiente aos seres humanos, por isso, envolve a integração de mobiliário, organização do espaço, iluminação e vários outros elementos. 

É um conjunto de princípios e ideias que precisam fazer parte de um projeto de interiores, a fim de engrandecer o projeto e satisfazer o objetivo de funcionalidade de cada ambiente.

Neste conteúdo, vamos entender melhor a importância da ergonomia, os seus princípios fundamentais, o impacto na produtividade e muito mais. Acompanhe!

A ergonomia e sua importância no design de interiores

A ergonomia, em definição, é o estudo de como espaços e produtos podem ser desenhados para se adaptarem às capacidades e limitações humanas, visando otimizar o bem-estar e a eficiência. 

Para profissionais da arquitetura e do design, sua aplicação é muito interessante para criar ambientes que promovam uma interação saudável e confortável entre eles e as pessoas. 

Isso inclui a consideração de diversos fatores, como: 

  • Disposição do mobiliário;
  • Altura e a profundidade das superfícies de trabalho;
  • Iluminação adequada; e 
  • Ventilação. 

O objetivo é garantir que os espaços sejam acessíveis, seguros e confortáveis para todos os usuários. 

Além disso, a ergonomia foca na prevenção de lesões relacionadas ao esforço repetitivo e ao desconforto postural, pois preza pela criação de ambientes que encorajam posturas saudáveis e movimentos naturais. 

Implementar princípios ergonômicos no design de interiores não apenas melhora a qualidade de vida dos ocupantes, mas também eleva a funcionalidade e a estética dos espaços. 

Todos esses conceitos, juntos, destacam a importância da humanização dos ambientes em projetos arquitetônicos e de design de interiores.

Princípios básicos da ergonomia para ambientes internos

Os princípios da ergonomia incluem o conforto, a segurança e a usabilidade, cada um desempenhando um papel vital na concepção de espaços internos. Vejamos em detalhes cada um deles: 

Conforto

O conforto é importante na ergonomia de ambientes internos, pois visa reduzir o estresse e a fadiga, ao mesmo tempo que aumenta a satisfação, o bem-estar e a produtividade. 

Isso envolve o design de mobiliário e equipamentos que se adaptam ao corpo humano, minimizando tensões musculares e fadiga. 

Como exemplo podemos citar cadeiras ergonômicas e mesas ajustáveis, que ajudam a manter uma postura adequada, de modo a atenuar o risco de lesões musculoesqueléticas. 

Além disso, a ergonomia ambiental inclui a adequação da iluminação, temperatura e acústica — elementos que contribuem significativamente para o conforto sensorial e psicológico.

Segurança

A segurança ergonômica busca diminuir os riscos de acidentes e lesões, implementando soluções que evitem perigos potenciais. 

Isso inclui a organização do espaço para prevenir quedas e colisões, revestimentos de piso antiderrapantes e a correta sinalização de áreas de risco, por exemplo. 

Usabilidade

A usabilidade, no contexto da ergonomia de interiores, refere-se à facilidade com que as pessoas conseguem utilizar o ambiente e seus elementos. Isso significa projetar espaços que sejam intuitivos, acessíveis e fáceis de navegar. 

Nesse sentido, a disposição do mobiliário e equipamentos precisa possibilitar um fluxo natural de movimento, enquanto as interfaces e controles (por exemplo, de equipamentos eletrônicos ou sistemas de iluminação e ventilação) também devem ser simples de entender e operar. 

A consideração sobre a diversidade de usuários, incluindo crianças, idosos e pessoas com deficiência, é crucial para garantir que os espaços sejam inclusivos e atendam às necessidades de todos.

Aplicando esses princípios de ergonomia a diferentes espaços internos, pode-se criar ambientes mais confortáveis, seguros e funcionais. 

Perceba que esses três princípios caminham juntos, complementando-se. Ou seja, é preciso pensar em uma abordagem integrada desses três pilares para, de fato, chegar a um resultado otimizado.

Ergonomia na escolha do mobiliário

A seleção de mobiliário ergonômico é de extrema importância para criar ambientes que promovam o bem-estar, a saúde e a produtividade dos usuários. 

Afinal, um item de mobiliário com foco em ergonomia é projetado para se adequar às características físicas dos usuários e às tarefas que eles realizam, de modo a maximizar o conforto, a usabilidade e a segurança. 

Ao escolher móveis para um ambiente — seja ele residencial, de trabalho ou educacional — é importante considerar diversos aspectos ergonômicos para garantir uma interação positiva com o espaço. Veja em detalhes:

Ajustabilidade

Uma das características mais importantes do mobiliário ergonômico é a sua capacidade de ajuste. 

Móveis ajustáveis permitem que os usuários personalizem a altura, o ângulo e a posição conforme suas necessidades individuais, de modo assegurar uma postura correta e confortável. 

Por exemplo, cadeiras de escritório com ajustes de altura, inclinação do encosto e de profundidade do assento. 

Da mesma forma, mesas que permitem ajustes de altura são ideais, pois oferecem a flexibilidade para trabalhar sentado ou em pé.

Suporte

O mobiliário deve fornecer suporte adequado ao corpo, especialmente nas áreas que mais sofrem com posturas prolongadas, como as costas, os braços e os pulsos. 

Cadeiras com suporte lombar promovem o alinhamento correto da coluna, enquanto mesas e superfícies de trabalho com bordas arredondadas evitam a pressão excessiva nos antebraços e pulsos. 

Além disso, o uso de apoios para os pés ajuda a reduzir a tensão nas pernas e na região lombar, o que é especialmente útil para pessoas que não alcançam o chão confortavelmente com os pés.

Espaço e disposição

Uma boa dica é optar por mobiliário disposto de maneira a otimizar o espaço disponível, ou seja, possibilitando movimentos fluidos. 

A disposição dos itens precisa facilitar o acesso a ferramentas e materiais importantes, sem que seja necessário esticar-se ou inclinar-se de maneira inadequada. 

Isso significa, entre outros aspectos, considerar a altura e a proximidade de prateleiras e armários em relação à área de trabalho principal.

Material e design

Os materiais e o design do mobiliário também desempenham um papel importante na ergonomia. Superfícies com texturas agradáveis ao toque e materiais que evitam o excesso de calor ou frio contribuem muito para o conforto do usuário. 

Sala de reuniões com mesa arredondada e pendente Accord
Arq. Marcelo Stecam/ Foto: Thiago Vidotto

A relação entre iluminação e ergonomia

A conexão entre iluminação e ergonomia é um dos elementos mais importantes no design de espaços bem projetados. 

A iluminação ergonômica é essencial para construir ambientes que suportem as necessidades visuais e psicológicas dos indivíduos. 

Esse tipo de iluminação visa minimizar a fadiga visual, prevenir o desconforto e contribuir para um ambiente de trabalho ou de vida mais saudável e produtivo.

Vamos aos principais pontos da associação entre esses conceitos: 

Iluminação adequada ao tipo de tarefa

Uma recomendação é adaptar a luminosidade ao tipo de tarefa realizada, de modo a garantir que haja luz suficiente para executar o trabalho sem esforço visual. 

Por exemplo, tarefas que exigem atenção aos detalhes, como leitura ou desenho técnico, necessitam de níveis de iluminação mais altos em comparação com outras atividades menos exigentes visualmente. 

Nesse sentido, luminárias de mesa como a linha cônica ou a linha facetada são boas opções, já que podem ser utilizadas em superfícies para auxiliar em uma tarefa específica. 

A utilização de luminárias ajustáveis, ou seja, as que permitem direcionar a luz exatamente onde é necessária, é uma estratégia eficaz para atender a essa necessidade.

Prevenção do ofuscamento e reflexos indesejados

O ofuscamento, seja direto ou refletido, é um problema que causa um desconforto significativo e reduz a capacidade de ver claramente. 

A iluminação ergonômica envolve o posicionamento cuidadoso de fontes de luz e o uso de elementos, como difusores e abajures, para minimizar esse fenômeno. 

Além disso, é crucial considerar a posição das superfícies de trabalho em relação às janelas e fontes de luz para evitar reflexos em telas de computador e outras superfícies.

Controle de luminosidade e contraste

A capacidade de ajustar a luminosidade e o contraste é importante para acomodar diferentes atividades e preferências individuais.

Sistemas de iluminação com controles ajustáveis permitem aos usuários modificar a intensidade da luz de acordo com as necessidades do momento, a fim de melhorar o conforto visual e a adaptabilidade do espaço.

Harmonia com a luz natural

A integração harmoniosa da luz natural e artificial é outro aspecto-chave da iluminação ergonômica. 

A luz natural não apenas reduz a necessidade de iluminação artificial durante o dia, como também oferece benefícios psicológicos e fisiológicos, como regular o ritmo circadiano

No entanto, é essencial controlar a quantidade de luz natural para evitar o excesso de brilho e o superaquecimento dos espaços.

Contribuição para o bem-estar geral

Por fim, vale salientar que a iluminação ergonômica contribui significativamente para o bem-estar geral, influenciando o humor, a energia e até a produtividade dos usuários. 

A escolha de temperaturas de cor adequadas, por exemplo, ajuda a criar ambientes que estimulam a concentração durante o dia e promovem o relaxamento à noite.

Impacto da ergonomia na produtividade e no bem-estar

A ergonomia atua na otimização tanto da produtividade quanto do bem-estar dos ocupantes de espaços projetados com esse foco. Quando pensamos em ambientes corporativos, por exemplo, a construção com esse olhar rende diversos benefícios. 

Ao considerar fatores como conforto físico, facilidade de uso e prevenção de lesões, a ergonomia não só melhora a eficiência e a eficácia das atividades realizadas, mas também promove um ambiente saudável e sustentável para os usuários. Entenda como isso acontece:

Aumento da produtividade

Um dos pontos é a diminuição de lesões que comprometem o dia a dia. Menos lesões significam menos tempo afastado do trabalho e mais tempo produtivo.

Além disso, espaços ergonomicamente projetados levam em consideração a organização do ambiente e a disposição dos objetos para minimizar movimentos desnecessários e ineficientes. 

Isso reduz o desperdício de tempo e energia, permitindo que os trabalhadores se concentrem melhor nas suas tarefas.

Melhoria do bem-estar

O conforto físico proporcionado por um design ergonômico reduz a tensão e o desconforto ao longo do dia. Isso diminui o risco de desenvolver problemas de saúde a longo prazo e, ao mesmo tempo, aumenta a satisfação imediata e a qualidade de vida no trabalho.

Ademais, ambientes ergonômicos contribuem para uma percepção positiva do local de trabalho, o que aumenta a satisfação e o engajamento dos funcionários. 

Também vale citar a sensação de bem-estar e o reconhecimento do esforço da empresa em fornecer um ambiente de trabalho saudável. Esse fator contribui para elevar a motivação geral da equipe, melhorar o clima organizacional e reduzir o estresse.

Outro ponto é a diversidade, como mencionamos. A ergonomia, especialmente no ambiente de trabalho, precisa considerar a diversidade dos usuários, com soluções adaptáveis que atendem a diferentes necessidades e preferências. 

Isso garante que todos tenham acesso aos recursos que precisam para ter uma jornada confortável e produtiva, independentemente de suas características físicas ou condições de saúde.

Sala de escritório com computadores e pendente Accord
Paulo Lopes Arquitetura e Associados/ Foto: J. Ohara

Ergonomia no design de interiores: criando espaços acolhedores e funcionais

A ergonomia no design de interiores auxilia na criação de espaços que sejam esteticamente agradáveis, e que também promovam conforto e funcionalidade para seus usuários. 

Considerando a ergonomia, designers podem otimizar o espaço de acordo com as necessidades humanas. A seguir, vamos sugerir algumas dicas interessantes de trazer essa visão para um projeto de interiores bem-sucedido. 

No catálogo da Accord, você encontra opções de mobiliário e de iluminação sofisticados e de alta qualidade, não deixe de conferir! 

Dicas para incorporar ergonomia no design de interiores:

  • Entenda as necessidades dos usuários: analise quem usará o espaço e de que forma, para adaptar o design às suas necessidades específicas;
  • Escolha mobiliário ajustável: opte por móveis que ofereçam ajustes de altura e suporte, como cadeiras ergonômicas e mesas que permitam mudanças de posição;
  • Priorize a iluminação adequada: implemente soluções de iluminação que possam ser ajustadas conforme a atividade, reduzindo o cansaço visual e criando ambientes acolhedores;
  • Promova um layout funcional: organize o espaço de maneira a facilitar o acesso e a movimentação;
  • Incorpore elementos de bem-estar: integre plantas, elementos naturais e áreas de descanso para melhorar o bem-estar mental e físico dos ocupantes.

Transformando espaços com ergonomia e design

A integração da ergonomia no design de interiores é muito mais do que uma tendência: é uma necessidade para criar espaços que apoiem o bem-estar, a produtividade e o conforto dos seus ocupantes. 

A adoção de mobiliário ajustável, iluminação adequada e layouts que promovam a funcionalidade aumenta a qualidade dos ambientes internos, reflete um compromisso com a saúde e a satisfação das pessoas que os habitam e reduz o risco de acidentes.

Na busca por soluções que alinhem estética e ergonomia, a Accord se destaca por oferecer várias linhas de produtos de iluminação e mobiliário que podem transformar qualquer espaço. 

Veja como os produtos da Accord podem contribuir para o seu projeto de design de interiores. Visite o site da Accord e descubra as inúmeras possibilidades para enriquecer seus espaços com conforto, sofisticação, funcionalidade e estilo!

Compartilhe o artigo via:

Você pode gostar